“Qualquer um pode cometer erros, mas apenas um tolo persiste em seu erro.” (Marco Túlio Cícero – advogado, político, escritor, orador e filósofo romano)

Espaço Cultural – Capa

Poesia de Natal
Cora Coralina (poetisa e contista brasileira)

Enfeite a árvore de sua vida
com guirlandas de gratidão!
Coloque no coração laços de cetim rosa,
amarelo, azul, carmim,
Decore seu olhar com luzes brilhantes
estendendo as cores em seu semblante

Em sua lista de presentes
em cada caixinha embrulhe
um pedacinho de amor,
carinho,
ternura,
reconciliação,
perdão!

Tem presente de montão
no estoque do nosso coração
e não custa um tostão!
A hora é agora!
Enfeite seu interior!
Sejas diferente!
Sejas reluzente!

Vila Esperança
(Adoniran Barbosa – compositor, cantor, humorista e ator brasileiro)

Vila Esperança, foi lá que eu passei
O meu primeiro carnaval
Vila Esperança, foi lá que eu conheci
Maria Rosa, meu primeiro amor

Como fui feliz, naquele fevereiro
Pois tudo para mim era primeiro
Primeira rosa, primeira esperança
Primeiro carnaval, primeiro amor criança

Numa volta no salão ela me olhou
Eu envolvi seu corpo em serpentina
E tive a alegria que tem todo Pierrot
Ao ver que descobriu sua Colombina

O carnaval passou, levou a minha rosa
Levou minha esperança, levou o amor criança
Levou minha Maria, levou minha alegria
Levou a fantasia, só deixou uma lembrança.

Espaço Cultural – Zé Keti

Máscara Negra
(Zé Keti – cantor e compositor do samba brasileiro)

Quanto riso, oh, quanta alegria!
Mais de mil palhaços no salão
Arlequim está chorando
Pelo amor da Colombina
No meio da multidão.

Quanto riso, oh, quanta alegria!
Mais de mil palhaços no salão
Arlequim está chorando
Pelo amor da Colombina
No meio da multidão.

Foi bom te ver outra vez
Tá fazendo um ano
Foi no carnaval que passou
Eu sou aquele Pierrô
Que te abraçou e te beijou, meu amor

Na mesma máscara negra
Que esconde o teu rosto
Eu quero matar a saudade
Vou beijar-te agora
Não me leve a mal
Hoje é carnaval

Vou beijar-te agora
Não me leve a mal
Hoje é carnaval.

Espaço Cultural – Confúcio

“Aquele que não economiza irá agonizar.” (Confúcio – pensador e filósofo chinês)

Espaço Cultural – Belmiro Braga

As almas de muita gente
(Belmiro Braga – poeta brasileiro)

As almas de muita gente
são como rio profundo:
– a face tão transparente,
e quanto lodo no fundo!

Espaço Cultural – Olavo Bilac

O caçador de esmeraldas
(Olavo Bilac – jornalista, contista, cronista e poeta brasileiro)

Foi em março, ao findar das chuvas, quase à entrada
Do outono, quando a terra, em sede requeimada,
Bebera longamente as águas da estação,
– Que, em bandeira, buscando esmeraldas e prata,
À frente dos peões filhos da rude mata,
Fernão Dias Pais Leme entrou pelo sertão…

“Alegre é a gente viver devagarinho, miudinho, não se importando demais com coisa nenhuma…” (João Guimarães Rosa – escritor, diplomata, novelista, romancista, contista e médico brasileiro)

Espaço Cultural – Jean Cocteau

“Ele não sabia que era impossível. Foi lá e fez.” (Jean Cocteau – poeta, romancista, cineasta, designer e dramaturgo francês)

“A vida não é encontrar a si mesmo. A vida é criar a si mesmo.” (George Bernard Shaw – dramaturgo, romancista, contista, ensaísta e jornalista irlandês)