‘Fóssil vivo’ maior anfíbio do mundo corre risco de extinção

/ / E o bicho pegou
Imagem: YouTube

No maior trabalho de campo já realizado sobre a espécie, pesquisadores fizeram levantamentos em 97 locais, em 16 das 23 províncias da China. Espécimes selvagens foram encontrados em apenas quatro locais, mas análises genéticas indicam que eles não são nativos das regiões onde foram encontrados, mas provavelmente libertados de fazendas.

O animal adulto pode alcançar até dois metros de comprimento, pesando mais de 60 quilos, sendo o maior anfíbio do mundo. A salamandra gigante vive em rios de água doce e, no passado, era encontrada em praticamente todo o país. Historicamente, a ingestão de sua carne era considerada um tabu, mas nas últimas décadas se transformou numa iguaria, alimentando a cobiça de caçadores.

Para salvar a espécie, o governo chinês proibiu sua caça e incentivou a criação de fazendas. Hoje, existem milhões de animais em cativeiro, que são vendidos por cerca de US$ 1,5 mil cada. Como medida de conservação, o Ministério da Agricultura incentiva a liberação de filhotes na natureza, num programa que pode ameaçar ainda mais a sobrevivência da espécie.

Em estudo paralelo, os cientistas descobriram que a salamandra gigante se subdivide em ao menos cinco espécies diferentes. E como os atuais programas de libertação desconsideram a genética, os espécimes reintroduzidos podem estar formando híbridos, ameaçando as espécies nativas.

Apesar das aparentes similaridades, as salamandras gigantes selvagens habitavam três grandes rios na China, além de incontáveis rios menores, que correm de forma independente ao mar. E como o animal não pode se mover sobre a terra, elas se adaptaram e diferenciaram ao longo dos anos a ponto de serem reconhecidas como espécies diferentes.

Se pensou no nosso jacaré, errou

Crocodilo e o jacaré foram ‘despromovidos’ do estatuto de fóssil vivo

Estão longe de ser os fósseis vivos em que o imaginário coletivo os transformou. Os crocodilos, e os seus parentes jacarés evoluíram posteriormente, a partir de um grupo que há mais de 60 milhões de anos, no tempo dos dinossauros, era afinal muito diverso. Chamados de crocodiloformes, existiam as mais variadas maneiras: tinha os super-crocodilos, também havia espécimes encorpados, outros com focinhos curtos e caudas quase inexistentes. Até alguns vegetarianos marcavam presença nesse grupo.

Quem diz isso é o vetusto e centenário Diário de Notícias, de Lisboa, que publicou resumo de um estudo compilado por David Krause e Natha Kley, da Universidade de Stony Brook, de Nova York. Segundo ele, foi a descoberta, há dez anos, em Madagáscar, de um fóssil desta espécie de formato estranho que desencadeou, justamente, a onda de estudos que levaram à despromoção dos crocodilos e jacarés da condição de fósseis vivos.

Diário de Notícias:https://www.dn.pt/ciencia/biosfera/interior/crocodilo-despromovido-do-estatuto-de-fossil-vivo-1731335.html

Theo Souza

(Publicado em 22 de junho de 2018)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *