Mergulhos fantásticos

/ / Leitura e arte

O médico anestesista e mergulhador Richard Harris, especialista em resgate em cavernas, foi quem conseguiu chegar onde os meninos da Tailândia estiveram presos por nove dias e foi uma das últimas pessoas da equipe de resgate a deixar o local.

Foi ele quem avaliou as condições clínicas das crianças e do técnico, definiu a ordem em que deveriam deixar a caverna e participou de todo o projeto da operação.

Segundo Sue Crowe, amiga de Harry, a presença calma do amigo confortou as crianças na caverna. Ela ainda disse que ele se certificaria de que elas estariam preparadas da melhor maneira possível para a possibilidade do mergulho. “Ele era a pessoa perfeita para apoiá-las”, disse Sue.  

O médico tem trinta anos de experiência em mergulho em grutas do mundo todo, é fotógrafo subaquático e já realizou várias expedições em cavernas da Austrália, Nova Zelandia e China. Seu trabalho é conhecido pelas equipes de emergência em desastres naturais na região do Pacífico. Ele trabalha para o Serviço de Ambulâncias de Austrália do Sul (MedStar) e estava em período de férias quando foi solicitado para ajudar no resgate. Bill Griggs, antigo chefe da equipe de resgate da Med Star, comentou que para se fazer mergulho em caverna é preciso muita atenção aos detalhes e ser meticuloso; e a experiência médica no caso de Harris foi um bônus importante.

Entretanto Harris é integrante de um grupo de 90 mergulhadores responsáveis pela operação sendo que 40 deles são tailandeses.

Graças ao conhecimento técnico, à coragem e a eficiência desses profissionais habituados a lidar com o estresse das mais diversas formas, o resgate dos Javalis Selvagens e seu técnico foi um sucesso e o mundo se tornou melhor por isso. Vimos as entranhas de uma caverna inundada, doente, precisando de cuidados intensivos. Neste post, mostro duas regiões do mundo onde o mergulho em cavernas é bonito demais e nos traz relaxamento e paz.  

Tecnicamente, o mergulho não parece fácil de ser executado. Entretanto, apesar de as primeiras tentativas poderem ser assustadoras, a experiência pode ser mágica e inesquecível.

Além do curso de mergulho básico, tem-se o curso de mergulho avançado, o de resgate, de naufrágio e Dive Master, visando a profissionalização. 

Para o mergulho autônomo SCUBA (Self Contained Underwater Breathing Apparatus) são necessários cursos de preparo e licença, quando o mergulhador precisa aprender a lidar com questões físicas, fisiológicas e de risco, em função da pressão e temperatura diferenciadas em profundidades maiores.

As cavernas de Akumal

No México, além das praias mais incríveis do mundo, podemos visitar cavernas e rios subterrâneos literalmente imersos em misticismo. O passado Maya envolve toda a região de mistério e magia. Cenotes são pequenas aberturas que deixam ver águas muito azuis e cristalinas de água doce, que os Mayas acreditavam ser a passagem para o outro mundo.

Mergulhar em alguns dos cenotes mexicanos requer um certificado de mergulho, experiência técnica. A água fresca, em torno de 24 graus, cristalina, extremamente quieta, nos transporta para um mundo de silencio e repouso.

Nesta caverna, perde-se o contato com a luz do sol, e ali não é possível voltar à superfície rapidamente em caso de pânico. Por isso é preciso treinamento técnico e controle emocional, e estratégias como pequenos grupos, além de medidas de segurança extremas como guias treinados, com dois tanques, e sinalização ostensiva da caverna.  Em paz, podem-se observar grandes salões que à luz da lanterna revelam estalactites e estalagmites de formas variadas e colunas alongadas, por onde a luz penetra mostrando nichos escondidos e intrigantes.

Foto de Renata Linger
Foto de Renata Linger

Outro lugar imperdível para os mergulhadores apaixonados pelo esporte, uma das maravilhas subaquaticas do mundo, é Palau, um país insular da Micronésia no Oceano Pacífico. O arquipélago belíssimo, repleto de vida marinha e cores, permite maravilhosos mergulhos em cavernas, para serem explorados com luz e câmera.

Estes mergulhos estão mais indicados àqueles com certificados de especialista em mergulho em cavernas, a não ser na caverna maior onde a entrada e saída são de fácil acesso. Na caverna chamada Blue Holes, corais proliferam nas paredes; barracudas e grandes cardumes de atum e pargo, além de peixes tropicais coloridos ocasionalmente nadam atravessando o espaço, seguindo as correntes marítimas externas.  O Túnel Siaes tem três aberturas a partir da parede do recife. Muitas criaturas se escondem dentro das fendas e rachaduras no interior deste túnel. Podem-se ver, às vezes, arraias e tubarões brancos descansando no fundo.

A caverna Chandelier apresenta estalactites e estalagmites que brilham quando tocados pela luz.

A experiência do mergulho pode ser transcendental.

Foto de Maristela Monachini
Foto de Maristela Monachini

Fontes:
-https://observador.pt/2018/07/09/medico-e-mergulhador-quem-e-o-australiano-envolvido-no-resgate-na-tailandia/
-https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2018/07/11/o-mergulhador-medico-australiano-que-ficou-com-meninos-na-caverna-ate-o-final.htm
-https://blog.dreampass.com.br/2017/10/02/por-que-investir-em-uma-experiencia-de-mergulho/
-https://viagemeturismo.abril.com.br/blog/achados/para-fazer-antes-de-morrer-mergulhar-em-um-cenote-mexicano/
-http://www.justgottadive.com/dive_resources/travel_articles/cave-diving-palau-amazing-blue-holes-siaes-tunnel-and-chandelier-cave#.W0Tapy1y8mI

Patrícia Rati

(Publicado em 13 de julho de 2018)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *